Mamão

Mamão (Carica papaya)

 

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Clado: Angiosperms

Clado: Eudicots

Clado: Rosids

Classe: Magnoliopsida

Ordem: Brassicales

Família: Caricaceae

Gênero: Carica

Espécie: C. papaya

Nome Científico: Carica papaya

Nomes Populares: Mamão, Ababaia, Mamão-do-amazonas, Mamão-papaia, Mamãozinho, Mamoeiro, Papaeira, Papaia, Pinoguaçu

Categoria: Árvores, Árvores Frutíferas, Medicinal

Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical

Origem: América Central, América do Sul

Altura: 6 a 9 metros

Luminosidade: Sol Pleno

Ciclo de Vida: Perene

 

O mamoeiro é uma árvore de caule semi-herbáceo, oco, cilíndrico e simples. No topo da árvore não vemos ramos, apenas folhas grandes, digitilobadas, com nervuras amarelas, sustentadas por longos pecíolos. Ao caírem, durante o crescimento da planta, as folhas deixam grandes cicatrizes no caule. O mamoeiro pode produzir flores masculinas, femininas ou hermafroditas em plantas dióicas ou monóicas.

As flores do mamoeiro podem ser brancas ou amarelas, são cerosas e muito perfumadas. A floração inicia-se em 9 a 10 meses após o plantio. As plantas fêmeas, com flores exclusivamente femininas, produzem após a polinização frutos arredondados. Já as plantas hermafroditas, com flores completas (perfeitas), geram os frutos preferidos comercialmente, alongados, com polpa mais espessa e, conseqüentemente, com cavidade central menor.

O mamão é um fruto carnoso, grande, indeiscente, com polpa macia, densa, aromática e de coloração variável entre o amarelo e o vermelho. Sua casca é lisa e fina, verde na ocasião da colheita e que torna-se gradativamente amarela ou alaranjada com o amadurecimento. A cavidade interna do fruto contém numerosas sementes pretas, comestíveis, de sabor picante, revestidas por uma substância mucilaginosa.

O mamoeiro é uma árvore tipicamente tropical, de crescimento veloz, podendo atingir 8 metros de altura. Sua vida é curta, embora produtiva, e os pomares de mamoeiro devem ser renovados a cada 3 anos em média. Atualmente o mamoeiro é cultivada em diversas regiões tropicais do planeta e pode frutificar durante o ano todo, gerando de 20 a 50 kg de mamão.

Os mamões maduros são consumidos geralmente in natura, mas têm ampla utilização culinária, na forma de shakes, doces, pudins, ensopados, etc. Os mamões verdes, cortados em tiras finas, são utilizados na preparação de um saboroso doce em calda. O mamão é uma fruta sensível que deve ser acondicionada, transportada em armazenada sob cuidados especiais, para que não sofra machucaduras que inviabilizem sua comercialização e consumo.

A seiva leitosa extraída do frutos verdes e do caule, contém a enzima papaína, largamente utilizada como medicinal e na indústria, como amaciante de carnes, tratamento de couros e na composição de cosméticos.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solos leves, calados, férteis e bem drenados, longe de locais ventosos e irrigados regularmente. As mudas devem ser transplantadas para covas bem preparadas, com adubos e terra solta, para seu pleno desenvolvimento radicular. É uma planta muito sensível às geadas e não desenvolve-se bem em climas frios. Também é suscetível a uma série de doenças e pragas, que devem ser prevenidas e controladas em fase iniciais. Multiplica-se por sementes.

Carica papaya L. é uma espécie de fruteira tropical que produz os frutos conhecidos pelos nomes comerciais de papaia ou ababaia (de papaya, da língua caribe via espanhol), ou mamão. Carica papaya é, na actual circunscrição taxonómica do género Carica, a única espécie deste género monotípico, embora a família Caricaceae inclua várias espécies similares, algumas da quais produzindo frutos conhecidos pelos mesmos nomes comuns ou nomes similares. A espécie é nativa das regiões tropicais das Américas, provavelmente da região sul do México e regiões adjacentes da América Central. Terá sido inicialmente cultivada no sul do México[carece de fontes] vários séculos antes da emergência das civilizações clássicas mesoamericanas.

  1. papaya é uma grande planta arborescente, com um único caule central, frequentemente não ramificado ou apenas ramificado na região terminal, que cresce até aos 5 a 10 m de altura, com folhas arranjadas em espiral confinadas ao topo do tronco e região terminal dos eventuais ramos. A parte inferior do tronco apresenta cicatrizes foliares conspícuas marcando os pontos de inserção de folhas e frutos de anos anteriores. Em geral não ramifica, excepto se o caule principal tiver sido cortado.

A folhas são grandes, com 50 a 70 cm de diâmetro, profundamente palmatilobadas, com 7 lóbulos. De forma incomum para plantas daquela dimensão, os espécimes de C. papaya são dioicos.

As flores são similares em forma às flores de Plumeria, mas são menores e apresentam um aspecto ceroso e translúcido. As flores ocorrem nas axilas das folhas, maturando em frutos de grandes dimensões, com 15 a 45 cm de comprimento e 10 a 30 cm de diâmetro. O fruto é do tipo baga, inicialmente verde e rijo, mas amadurecendo para um fruto amarelo de polpa macia e alaranjada, por vezes com laivos âmbar o alaranjados na casca.

Carica papaya foi a primeira fruteira transgénica a ter o seu genoma integralmente sequenciado.

A espécie é nativa do sul do México, América Central e norte da América do Sul, estando naturalizada nas Caraíbas, Flórida e diversas regiões de África. A espécie é cultivada como fruteira no Brasil, Índia, Austrália, Malásia, Indonésia, Filipinas, Angola, Hawaii e muitas outras regiões dos trópicos e sub-trópicos.

Mamão, papaia ou ababaia é o fruto do mamoeiro ou papaeira, árvores da espécie Carica papaya. Em Angola utilizam-se os termos mamão ou mamoeiro para identificar as variedades com fruto mais arredondado, designado-se por papaia ou papaeira aquelas que produzem o fruto mais alongado e mais adocicado. São bagas ovaladas, com casca macia e amarela ou esverdeada. A sua polpa é de uma cor laranja forte, doce e macia. Há uma cavidade central preenchida com sementes negras e rugosas, envolvidas por um arilo transparente.

Os mamões são consumidos in natura, em saladas e sucos. Antes da maturação, a sua casca apresenta um látex leitoso que deve ser retirado antes do consumo. Este látex contém substâncias nocivas às mucosas, sendo usado, inclusive, culinariamente, como amaciante de carnes. Tem um alto teor de papaína, uma enzima proteolítica, que é usada em medicamentos para tratamento de distúrbios gastrointestinais e para reabsorção de hematomas.

Originalmente do sul do México e países vizinhos, é atualmente cultivada na maioria dos países tropicais e nos Estados Unidos, onde foi introduzido primeiramente na Flórida, Havaí, Porto Rico, e nas Ilhas Virgens.

O mamoeiro produz fruto o ano todo, porém, no Brasil, a safra geralmente ocorre nos meses de maio, junho, agosto e outubro.

Existem diversas variedades de mamão e as mais conhecidas no Brasil são: mamão papaia, mamão formosa (um pouco maior e geralmente usado para fazer doces), mamão-da-baía, mamão-macho e mamão-da-índia.

Em 2018, o Brasil produziu 1,06 milhão de toneladas de mamão, sendo o 2º maior produtor do mundo. Os estados que mais produzem são: Espírito Santo (403 mil toneladas), Bahia (390 mil toneladas) e Ceará (118 mil toneladas). Em 2015, o país exportou quase 40 mil toneladas, principalmente para a União Européia.

O consumo do mamão é recomendado pelos nutricionistas por se constituir em um alimento rico em licopeno (média de 3,39 mg em 100 g), vitamina C e minerais importantes para o organismo. Quanto mais maduro, maior a concentração desses nutrientes.

Numa porção de 100 gramas do fruto estão contidas 43 calorias e uma quantidade significativa de vitamina C (75% da Dose Diária Recomendada, DDR) e uma quantidade moderada de folato (10% da DDR), para além de uma variedade de nutrientes embora em quantidades negligíveis.

Medicinal:

Indicações: afecções renais, afecções respiratórias, obesidade, flatulência, prisão-de-ventre, verminoses, azia, verrugas, pólipos

Propriedades: antiinflamatória, calmante, cicatrizante, digestivo, diurético, emoliente, laxativa

Partes Utilizadas: folhas, raízes, flores, seiva, frutos

Alerta:

Algumas substâncias contidas no mamão podem suprimir os efeitos do hormônio progesterona na mulher, ocasionando abortos.

 

Referências:

Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Carica_papaya. Acessado em: 12 jul 2021.

Disponível em: https://www.jardineiro.net/plantas/mamao-carica-papaya.html. Acessado em: 12 jul 2021.

Os comentários estão encerrados.