Guaco

Guaco (Mikania SP)

Reino: Plantae

Clado: angiospermas

Clado: eudicotiledoneas

Ordem: Asterales

Família: Asteraceae

Subfamília: Asteroideae

Tribo: Eupatorieae

Gênero: Mikania

Espécie: M. glomerata

Nomes Populares: Guaco, Cipó-caatinga, Cipó-catinga, Cipó-sucuriju, Coração-de-jesus, Erva-cobre, Erva-de-cobra, Guaco-de-casa, Guaco-de-cheiro, Guaco-liso, Guaco-trepador, Guaco-verdadeiro, Guape, Mikania, Uaco

Categoria: Medicinal, Trepadeiras

Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical

Origem: América do Sul

Altura: 2,4 a 3 metros

Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno

Ciclo de Vida: Perene

O guaco é uma antiga conhecida dos índios sul-americanos, devido às suas maravilhosas propriedades medicinais. Esta trepadeira volúvel, de textura semi-lenhosa pode atingir 3 m de altura se tiver suporte adequado. Ela apresenta folhas grandes, oblongo-lanceoladas, coriáceas, opostas, simples, brilhantes e de coloração verde intensa. As inflorescênias surgem apenas se a planta recebe luz direta do sol durante boa parte do dia; elas são do tipo capítulo, com flores hermafroditas de papus branco e corola tubulosa, de cor branco-creme. Os frutos são do tipo aquênio.

O guaco é uma trepadeira de crescimento rápido a moderado que pode ser utilizada para cobrir cercas, treliças, grades, entre outros suportes de pequeno e médio porte. Apesar de volúvel, o tutoramento e o amarrio ajudam a planta a subir e se fixar. Também pode ser cultivada em vasos, desde que tenha o suporte adequando. É interessante seu plantio em jardins de ervas e medicinais, devido às suas conhecidas propriedades.

O guaco ou Erva de Bruxa (Mikania glomerata Spreng.) é um tipo de planta medicinal utilizado contra gripe, rouquidão, infecção na garganta, tosse, bronquite. O Guaco, também conhecido em outras regiões como guaco-cheiroso, cipó-almecega, cipó-caatinga ou erva-de-cobra, é uma espécie nativa do Brasil, e é cultivada em todo o território nacional, mas, em maior quantidade no bioma Mata Atlântica. O surgimento natural dessa planta é em bordas de rios, matas primárias e planícies suscetíveis à inundação.

Cultivo:

No plantio, recomenda-se solo arenoso e rico em matéria orgânica. O plantio se faz por estacas de caule que apresentem pelo menos dois nós. Após o enraizamento, a muda deve ser transplantada para um local que lhe sirva de suporte. No caso de optar-se pelo plantio em vasos ou jardineiras, é necessário providenciar um apoio.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, leve e enriquecido com matéria orgânica, regado a intervalos regulares. Rústica, não exige maiores manutenções, apenas podas periódicas para controlar o crescimento. Aprecia o frio subtropical ou mediterrâneo. Multiplica-se por sementes ou estacas semilenhosas.

Por ser uma planta relativamente rústica, o guaco não exige muitos cuidados. Para garantir um crescimento robusto, é recomendável, por ocasião do plantio, incorporar ao solo uma adubação com húmus de minhoca. Nos períodos de seca é importante estar atento para manter a terra úmida, irrigando sempre que necessário, mas evitando encharcamentos.

Tanto as folhas como as flores podem ser usados com finalidades medicinais. A colheita se dá normalmente seis meses após o plantio, quando é possível colher as primeiras folhas.

Usos e receitas:

O uso do guaco como planta medicinal é muito antigo. Em 1870, chegou a ser criado um produto preparado com hastes e folhas da planta – era o O podeldo de Guaco que durante décadas foi considerado um “santo remédio” contra bronquite, tosse e reumatismo.

Medicinal:

Indicações: afecções respiratórias, tosses, asma, bronquite, gripes, resfriados, alergias, afecções de pele, câncer, reumatismo.

Propriedades: expectorante, anti-tussígena, broncodilatador, antiinflamatória, antimicrobiana, emoliente, calmante, anticancerígena, cicatrizante, anti-reumático.

Partes Utilizadas: folhas, flores.

Cientificamente já está provado que o guaco apresenta propriedades medicinais expectorantes e broncodilatadoras, sendo indicado no combate à tosse, asma, bronquite, rouquidão e outros sintomas associados à gripes e resfriados. Popularmente, o guaco continua sendo usado para tratar reumatismo, infecções intestinais e cicatrizar ferimentos.

A planta é também conhecida como erva-de-serpentes, cipó-catinga ou erva-de-cobra. O guaco sempre foi muito conhecido pelos índios brasileiros, que usavam a planta para combater o veneno das serpentes (daí vêm alguns dos seus nomes populares). Ainda hoje, em algumas regiões do Brasil, o macerado das folhas é aplicado em forma de cataplasma sobre picadas de cobras e outros animais peçonhentos. Existe também a tradição de usar a planta fresca e nova (cujas folhas emanam um aroma intenso e agradável) para manter as cobras afastadas.

A planta não apresenta princípios tóxicos, entretanto, deve ser usada com cautela, evitando-se todo tipo de excesso. Para o uso em crianças, é recomendável sempre a metade da dose indicada para os adultos.

Essa é uma boa planta para o preparo de xaropes e chás, com fins de cessar a tosse e rouquidão, muitas receitas caseiras podem ser feitas a partir da folha do guaco.

 

Referências:

Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Guaco. Acessado em: 07 jul 2021.

Disponível em: https://www.jardineiro.net/plantas/guaco-mikania-sp.html. Acessado em: 07 jul 2021.

 

Os comentários estão encerrados.